Doença celíaca exige mudança de hábito de toda a família

Imagine uma dieta que restringe a ingestão de alimentos como farinha de trigo, aveia, centeio, cevada e malte. Quem é celíaco apresenta intolerância a proteína conhecida como glúten que compõe os cereais, eliminando do cardápio além das massas tradicionais, a cervejinha gelada de domingo

por Mariane Nava

A doença, também chamada de Hipersensibilidade ao Glúten, é causada por uma reação à Gliadina, proteína do trigo; Hordeína da cevada (e malte), Avenina da aveia e Secalina do centeio. Essas proteínas são combatidas pelo organismo do celíaco. O intestino promove uma inflamação para expulsar as proteínas, o que resulta na agressão e atrofia das vilosidades presentes na parede do intestino delgado, comprometendo a absorção de todos os nutrientes.

No mundo, uma a cada cem pessoas tem intolerância ao glúten. No Brasil o número chega quase a um milhão de celíacossegundo os dados da Associação de Celíacos do Paraná (Acelpar). Apesar de grande, esse público ainda tem dificuldade em encontrar alimentos alternativos. Celíaca e proprietária da loja Sabores e Saúde, especializada em produtos sem glúten, Darlene Garcia, conta que descobriu possuir a doença por causa da filha que também é intolerante: “Há dez anos descobrimos que a Fernanda era celíaca, na época ela tinha seis anos. Agora, há uns seis meses, descobri que eu também sou intolerante. Demorei para perceber porque ao contrário dela, eu não tinha sintomas”.

A doença se manifestada quando a pessoa ingere a proteína, e varia de individuo para individuo. Darlene diz que sentia o intestino preso, mal estar e falta de ar, mas não tinha associado esses sintomas à intolerância ao glúten. “A Nanda teve sintomas totalmente diferentes. Mas se a minha filha era celíaca, tinha alguém da família que também deveria ser. Por isso, há uns seis meses fiz os exames e descobri que além de intolerante ao glúten, eu sou também a lactose”. Ao contrário da mãe, Fernanda Garcia, apresentava cabelos e unhas quebradiços, dores no corpo e alergias na pele. Darlene conta“quando a Nanda era pequena ela tinha diarreias com odores muito fortes, além de enjoos e tonturas frequentes. Além disso tudo, apresentava o abdômen distendido, o pediatra até tratou como se fosse uma parasitose, uma giárdia. O que claro, não funcionou”. Ela diz que a doença foi diagnosticada pelo médico endocrinologista que associou o peso e desenvolvimento abaixo do normal, as olheiras constantes e a pele amarelada de Fernanda à falta de nutrientes.

Exames de sangue, endoscopia ou biopsia podem diagnosticar a intolerância. A doença é hereditária e medida a partir do nível de destruição das vilosidades do intestino:

Quanto mais danificado o intestino mais severos são os sintomas. A médica gastroenterologista, Sandra Valerin, explica “quando há dano apenas no começo do intestino, o duodeno, a absorção de cálcio e/ou ferro fica comprometida. Já se é a parede de todo o intestino que está atrofiada, compromete-se a absorção de proteínas, gorduras, sais minerais e vitaminas”. É a falta dos nutrientes no organismo que provoca os sintomas, que são provenientes de outros problemas e não do glúten em si. Ao retira-lo da alimentação, os sintomas tendem a desaparecer assim que os nutrientes perdidos são repostos. A doença celíaca não tem cura ou tratamento, a saída é a não ingestão do glúten. “Depois que descobrimos e tiramos o trigo, a aveia e os produtos com cevada e malte, a Fernanda ganhou peso e passou a se sentir bem melhor”, conta Darlene.

Quem é celíaco deve consumir grãos como o milho, a soja e quinua. Além destes, o fubá, o arroz, a batata, polvilho, mandioca, e farinhas desses grãos devem ser consumidos, pois são importantes para fornecer os carboidratos necessários. É o que explica a nutricionista Adriana RovedaChastalo. Já alimentos como café de cevada, cerveja e bebidas que usem o malte como ingrediente devemser evitados. “O tratamento é quase totalmente nutricional e consiste em manter o paciente com dieta de exclusão ao glúten e seus subprodutos, isto significa remover da alimentação totalmente o trigo, o centeio, a cevada, malte e a aveia”, explica a nutricionista.

Associada a intolerância ao glúten podem surgir outras doenças causadas pela desnutrição e carência de vitaminas. “A falta de absorção de cálcio pode acarretar em osteoporose, a falta de ferro, em anemia. Outros problemas relacionados a carência de nutrientes podem afetar a tireoide, e consequentemente os hormônios, causando problemas no crescimento, na menstruação e no metabolismo”, explica a médica. Ela fala que os celíacos podem ainda desenvolver doenças como o diabetes, relacionada ao descontrole hormonal.

Apesar de todos os cuidados, Fernanda continuava ingerindo o glúten. “A Nanda era bastante rigorosa na alimentação, sabíamos que não era intencional, ainda assim havia indícios. Daí fui radical, tirei tudo com glúten de casa e fiquei mais rigorosa, perguntando em restaurantes qual o tempero dos produtos, se no molho não tinha farinha para engrossar e como eles eram feitos e armazenados. Só de trabalhar com o trigo no mesmo ambiente ou assar no mesmo forno, já ‘contamina’ todos os outros produtos”, conta ela. O glúten é um ‘pozinho’ que seespalha pelos utensílios, mesa e ambiente. E qualquer resquício pode ser sentido pelos intolerantes.

Na casa da família, todos os alimentos que contém glúten ou lactose foram ‘banidos’. O marido de Darlene, Cleverson Gonçalves, não é intolerante ao glúten, mas entrou na dieta também. “Não vejo problema. Já me acostumei a essa alimentação e não sinto falta da outra”, conta ele. “No começo fazíamos uma travessa de macarrão para a gente e outra para a Nanda. Tudo precisava ser feito duas vezes, era muito trabalho. Agora fazemos tudo sem glúten, facilitando a vida”, diz.

O celíaco deve atentar aos rótulos dos alimentos. Desde 2003, a Lei federal 10.674 obriga todas as indústriasa informar nos rótulos se o produto contém ou não glúten. Medida de segurança para os celíacos. “Apesar de algumas vezes a informação estar escrita em letras muito pequenas, já é uma conquista”, diz Darlene.

Hoje, são comercializados diversos produtosalternativos ao glúten, encontrados em lojas especializadas e em grandes supermercados. Tradicionalmente feitos com trigo, macarrão, pães, bolos e biscoitos ganham versões alternativas com farinha de arroz, milho, soja ouquinua. “Esses alimentos são muito saborosos. Os bolos são bem parecidos tanto na consistência quanto na aparência, e não perdem para os tradicionais. O maior problema é o custo”, afirma Darlene. Um quilo da farinha especial sem glúten, lactose ou açúcar custa R$12 reais, seis vezes mais que um quilo de farinha de trigo. “Acredito que o governo deveria dar subsídios às pessoas mais carentes, porque esses alimentos são necessários. Eu tentotirar o mínimo do lucro nos produtos porque sei que as pessoas precisam”, diz.

Darlene e Cleverson mantém a loja na casa da família, uma das únicas três em Ponta Grossa. Ela conta que a adquiriu de outra pessoa também celíaca. “O que me motivou foi a necessidade da minha filha por esses alimentos e a vontade de poder oferecer aos intolerantes mais alternativas de produtos”, afirma. Segundo ela, há quase um ano a loja atende pessoas de toda a região. Grande parte intolerante ao glúten, mas também pessoas com intolerância a lactose, soja ou outros produtos.

Segundo a Acelpar, desde 2009 o Ministério da saúde reconhece a doença no sistema de saúde. Em Ponta Grossa só o exame de sangue é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na Santa Casa de Misericórdia. A endoscopia e a biopsia, que também são formas de diagnosticar a doença, precisam ser feitas por convênio médico ou particular. O preço dos exames varia de R$150,00 a R$200,00 reais.

Anúncios

One comment

  1. Celia

    Gostei da matéria sobre a intolerância a gluten e outros produtos. Gostaria de saber o endereço e o telefone da loja da Darlene e Cleverson, acredito que vou precisar mudar a minha alimentação. Obrigada

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: